•  ENTREVISTA COM MARCIO VERMELHO

 

DJ residente da FREAK CHIC desde os primórdios, Marcinho é referência musical e um respeitado profissional por buscar referências em sua vida e influências.

 

– Acho que muita gente tem curiosidade de saber como foi a sua primeira ‘gig’ e em que momento da vida, pensou em tornar-se DJ?

A primeira ‘gig’ foi emocionante. Apesar do nervosismo, acho que me saí bem e tive a sorte de estrear em uma festa muito legal, o que me deixou com altas expectativas. Lembro de ter selecionado por semanas os discos que toquei e treinado exaustivamente as mixagens. Sabia que vários amigos e DJs respeitáveis estariam lá, nada poderia dar errado. Foi na Festa Mi Casita, em uma galeria na Melo Alves em 2001. Foi bem divertido.

A vontade de me tornar DJ profissional surgiu quando senti que estava pronto para poder contar as minhas próprias estórias através da música. Conduzir uma pista de dança, apresentando a sua pesquisa musical é algo íntimo e de grande responsabilidade. Fazer uma festa acontecer e ao mesmo tempo envolver as pessoas à uma viagem sonora foi, e ainda é o que me estimula a ser DJ.

 

– Percebo em seus sets um toque refinado de influências ‘retro’, como o synth pop, krautrock, disco e a clássica house music. Estou enganado ou é isso mesmo? Pode falar sobre.

Todos os estilos que você citou fizeram parte da minha formação musical, talvez por ter crescido nos anos 80 absorvendo essas sonoridades e posteriormente pesquisando a fundo esses estilos. Naturalmente essas referências estão sempre presentes em meus sets, com faixas atuais que resgatam estes sons, além dos clássicos que vez ou outra, gosto de tocar.

 

– Quais os artistas que você mais admira? (Cite 10 nomes).

Não sou bom para listas, sempre acho uma injustiça com as coisas boas que ficam de fora, ou que não lembrei no momento, mas vamos lá. Fiz uma seleção atemporal, de artistas que são constante referência e inspiração para mim. Haruomi Hosono, Arthur Russell, Larry Levan, Matthew Herbert, Nile Rodgers, Andrew Weatherall, Itamar Assumpção, David Byrne, Serge Gainsbourg, Lincoln Olivetti.




< Voltar